• Post category:Artigos

Desenvolva a Autodisciplina

Conta-se que, um dia, Frederico, o Grande Rei da Prússia, estava caminhando pela periferia de Berlim quando encontrou um homem muito idoso que seguia empertigado e resoluto na direção oposta.

– Quem és? — perguntou Frederico ao súdito.
– Sou um Rei — respondeu o velho.
– Um Rei! — gargalhou Frederico. — Sobre qual reino?
– Sobre mim. — foi a resposta orgulhosa daquele senhor.

Cada um de nós é um monarca sobre a própria vida. Somos responsáveis pelo governo de nossas ações e decisões.

Autor: desconhecido

 

Assembleia na Carpintaria

Contam que na carpintaria houve uma vez uma estranha assembleia.Foi uma reunião das ferramentas para acertar suas diferenças.
O martelo exerceu a presidência, mas os participantes lhe notificaram que teria que renunciar.
A causa? Fazia demasiado barulho e, além do mais, passava todo o tempo golpeando.
O martelo aceitou sua culpa, mas pediu que também fosse expulso o parafuso, dizendo que ele dava muitas voltas para conseguir algo. Diante do ataque, o parafuso concordou, mas por sua vez, pediu a expulsão da lixa. Dizia que ela era muito áspera no tratamento com os demais. A lixa acatou, com a condição de que se expulsasse a trena, que sempre media os outros segundo a sua medida, como se fora a única perfeita. Nesse momento entrou o carpinteiro, juntou o material e iniciou o seu trabalho. Utilizou o martelo, a lixa, a trena e o parafuso. Finalmente, a rústica madeira se converteu num fino móvel. Quando a carpintaria ficou novamente só, a assembleia reativou a discussão. Foi então que o serrote tomou a palavra e disse: – Senhores, ficou demonstrado que temos defeitos, mas o carpinteiro trabalha com nossas qualidades, com nossos pontos valiosos. Assim, não pensemos em nossos pontos fracos, e concentremo-nos em nossos pontos fortes. A assembleia entendeu que o martelo era forte, o parafuso unia e dava força, a lixa era especial para limar e afinar asperezas e a trena era precisa e exata. Sentiram-se então como uma equipe capaz de produzir móveis de qualidade.
Sentiram alegria pela oportunidade de trabalhar juntos. Ocorre o mesmo com os seres humanos.
Quando uma pessoa busca defeitos em outra, a situação torna-se tensa e negativa.
Ao contrário, quando se busca com sinceridade os pontos fortes dos outros, florescem as melhores conquistas humanas.
É fácil encontrar defeitos. Qualquer um pode fazê-lo. Mas encontrar qualidades e enxergar atributos, isto é para os sábios.

Autor: desconhecido

 

Não esqueça o principal

Conta a lenda que certa mulher pobre com uma criança no colo, passou diante de uma caverna e escutou uma voz misteriosa que lá dentro dizia:
“Entre e apanhe tudo o que você desejar, mas não se esqueça do principal. Lembre-se, porém, de uma coisa: Depois que você sair, a porta se fechará para
sempre. Portanto, aproveite a oportunidade, mas não se esqueça do principal…”
A mulher entrou na caverna e encontrou muitas riquezas. Fascinada pelo ouro e pelas jóias, pôs a criança no chão e começou a juntar, ansiosamente, tudo o que podia no seu avental. A voz misteriosa falou novamente:
“Você agora, só tem oito minutos.”
Esgotados os oito minutos, a mulher carregada de ouro e pedras preciosas, correu para fora da caverna e a porta se fechou. Lembrou-se, então, que a criança lá ficara e a porta estava fechada para sempre!
A riqueza durou pouco e o desespero, sempre. O mesmo acontece, por vezes, conosco. Temos uns oitenta anos para viver, neste mundo, e uma voz sempre nosadverte:
“Não se esqueça do principal!”
E o principal são os valores espirituais, a oração, a vigilância, a vida.
Mas a ganância, a riqueza, os prazeres materiais nos fascinam tanto que o principal vai ficando sempre de lado. Assim esgotamos o nosso tempo, aqui, e
deixamos de lado o essencial: “OS TESOUROS DA ALMA!”
Que jamais nos esqueçamos que a vida, neste mundo, passa rápido e que a morte chega de inesperado, e quando a porta desta vida se fechar para nós, de
nada valerão as lamentações.
“NÃO ESQUEÇAMOS DO PRINCIPAL!”
Dê importância à sua família, seus amigos, seu companheiro, esses sim, são tesouros preciosos e valiosos demais para deixarmos partir sem apreciar os
momentos com eles.

Autor: desconhecido

 

Toma cuidado

Toma cuidado com os teus pensamentos porque eles tornar-se-ão Palavras.
Toma cuidado com as tuas palavras porque elas tornar-se-ão Ações.
Toma cuidado com as tuas ações porque elas tornar-se-ão Hábitos.
Toma cuidado com os teus hábitos porque eles formarão o teu Caráter.
Toma cuidado com o teu caráter porque ele formará o teu Destino,
e o teu destino será a tua Vida…

Autor: Dalai Lama

 

Apenas tente compreender…

Um sujeito estava colocando flores no túmulo de um parente, quando vê um chinês colocando um prato de arroz na lápide ao lado.
Ele se vira para o chinês e pergunta:
– Desculpe, mas o senhor acha mesmo que o defunto virá comer o arroz?
E o chinês responde:
– Sim, quando o seu vier cheirar as flores!
Respeitar as opções do outro, em qualquer aspecto, é uma das maiores virtudes que um ser humano pode ter.
As pessoas são diferentes, agem diferente e pensam diferente.
Portanto, não julgue… Apenas tente compreender…

Autor: desconhecido

 

Tornando o campo fértil

Um mestre encarregou o seu discípulo de cuidar do campo de arroz.
No primeiro ano, o discípulo vigiava para que nunca faltasse a água necessária. O arroz cresceu forte, e a colheita foi boa.
No segundo ano, ele teve a ideia de acrescentar um pouco de fertilizante. O arroz cresceu rápido, e a colheita foi maior.
No terceiro ano, ele colocou mais fertilizante. A colheita foi maior ainda, mas o arroz nasceu pequeno e sem brilho.
Então o mestre advertiu-o: – Se continuar aumentando a quantidade de adubo, não terá nada de valor no ano que vem.
Você fortalece alguém quando ajuda um pouco. Mas se você ajuda muito, pode enfraquecê-lo e até estragá-lo.

Autor: desconhecido

 

Se podes imaginar, podes conseguir…

Certa lenda conta que estavam duas crianças patinando em cima de um lago congelado. Era uma tarde nublada e fria e as crianças brincavam sem
preocupação.
De repente, o gelo se quebrou e uma das crianças caiu na água.
A outra criança vendo que seu amiguinho se afogava debaixo do gelo, pegou uma pedra e começou a golpear com todas as suas forças, conseguindo quebrá-lo e salvar seu amigo.
Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino:
Como você fez? É impossível que você tenha quebrado o gelo com essa pedra e suas mãos tão pequenas!
Nesse instante apareceu um ancião e disse:
Eu sei como ele conseguiu.
Todos perguntaram:
Como?
O ancião respondeu:
– Não havia ninguém ao redor dele para dizer que ele não poderia fazer…
“Se podes imaginar, podes conseguir.”

Autor: Albert Einstein

 

Qual o valor?

Um jovem foi até um mestre e começou a questionar o valor dos ensinamentos que ele ministrava. Disse que ele estava errado em muitos aspectos e que não
concordava com grande parte dos ensinamentos.
O mestre, sem se perturbar, retirou do dedo um anel. Em seguida entregou ao jovem dizendo: “Por favor, pegue este anel e leve até o mercado. Veja se pode conseguir uma peça de ouro por ele”. O jovem, sem entender o motivo do pedido do mestre, foi até o mercado. Correu barraca por barraca, mercador por mercador e o máximo que conseguiu foi a
oferta de uma peça de prata pelo anel. Ele voltou ao mestre e relatou o acontecido.
O mestre então lhe disse: “Agora vá até um joalheiro e mostre o anel. Então, pergunte quanto ele pagaria”. O jovem assim o fez. O joalheiro olhou o anel e se deteve na pedra incrustada no mesmo. Depois de um certo tempo analisando o que estava vendo, ofereceu
mil moedas de ouro, só pela pedra. O jovem ficou completamente surpreso e paralisado diante da oferta. Ele voltou até o mestre e relatou o acontecido.
O mestre então lhe disse: “A sua noção de valor em relação aos conhecimentos que transmito aos discípulos é tão grande quanto a noção de valor dos
mascates à respeito de joias. Quem se propõe a avaliar joias, deve primeiro tornar-se um joalheiro”.

História Sufi

 

A ratoeira

Preste atenção: os problemas dos outros também podem ser seus.
Um rato olhando pelo buraco na parede vê o fazendeiro e sua mulher abrindo um pacote. Pensou logo em que tipo de comida poderia ter ali. Ficou aterrorizado quando descobriu que era uma ratoeira. Foi para o pátio da fazenda advertindo a todos: “Tem uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa.” A galinha, que estava cacarejando e ciscando, levantou a cabeça e disse: – Desculpe-me senhor Rato, eu entendo que é um grande problema para o senhor, mas não me prejudica em nada, não me incomoda. O rato repetiu a história ao porco. – Desculpe-me senhor Rato, mas não há nada que eu possa fazer, a não ser rezar. Fique tranquilo que o senhor será lembrado nas minhas preces. O rato dirigiu-se à vaca e repetiu a história. – O quê? Uma ratoeira? Por acaso estou em perigo, senhor Rato? Acho que não! Então o rato voltou para a casa, cabisbaixo e abatido, para encarar a ratoeira do fazendeiro. Naquela noite ouviu-se um barulho, como o de uma ratoeira pegando sua vítima. A mulher do fazendeiro correu para ver o que havia. No escuro, ela não viu que a ratoeira prendeu a cauda de uma cobra venenosa, que deu- lhe uma picada. O fazendeiro levou-a imediatamente ao hospital. Ela voltou com febre. Todo mundo sabe que, para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja. O fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal: a galinha. Como a doença da mulher continuava, os amigos e vizinhos vieram visitá-la. Para alimentá- los, o fazendeiro matou o porco. Como a mulher não apresentava sinais de melhora, aumentava a cada dia a romaria de pessoas que vinham visitá-la. O fazendeiro então foi obrigado a sacrificar a vaca para alimentar toda aquela gente solidária, mas comilona. Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito, lembre-se: quando há uma ratoeira na casa, toda a fazenda corre risco.

Autor desconhecido